terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Como evitar unhas quebradiças

Como evitar unhas quebradiças
Um dos problemas mais comuns das mulheres é as unhas frágeis, que se quebram sem razão aparente e que fazem com que as mão fiquem com um aspecto desarrumado e descuidado.
Isso ocorre por causa das múltiplas tarefas realizadas hoje em dia, não apenas em casa, como também no trabalho. Se você sofre desse problema, então, não deixe de ler esse artigo e saber como evitar que as unhas se quebrem.

Porque temos unhas frágeis?


As razões para sofrermos desse problema podem ser muitas, os sintomas mais habituais são as unhas quebradiças, que não crescem, se lascam, partem-se em camadas, quebram frente ao mínimo descuido, etc.
As unhas frágeis apresentam espessura muito fina e se desgastam independente do que façamos, seja lavar pratos, usar o teclado do computador ou passar um fim de semana sem fazer nada.
Isso porque as causas para as unhas quebradiças não têm relação com as atividades que realizamos, mas com:

  • A alimentação: se não consumimos vitaminas A e B suficientes, bem como o ferro, proteínas, zinco e cálcio, nossas unhas terão aspecto ruim e ficarão amareladas.
  • A descalcificação: isso ocorre quando não consumimos a quantidade necessária de cálcio ou temos algum problema que não nos permite reter o mineral em nosso corpo.
  • Doenças: algumas das doenças mais relacionadas com unhas frágeis são anemia, o hipotireoidismo, a má circulação e o reumatismo.

unhas2

  • O mau estado geral: se o corpo está debilitado e suas defesas são baixas, você é mais suscetível a ter unhas frágeis.
  • As agressões externas: isso quer dizer uma alta exposição a produtos químicos (detergentes, desinfetantes, etc.) muito contato com a água (lavar pratos, dar banho nas crianças, enxaguar as verduras).

Existem alguns “inimigos” das unhas que nem sempre consideramos e que podem ser os responsáveis por sua fragilidade. Esses são:

  • Envelhecimento;
  • Dermatites (como se a psoríase);
  • Predisposição genética;
  • Frio ou calor excessivo;
  • Comer (roer) as unhas (onicofagia);
  • Radiação ultravioleta;
  • Excessivas idas à manicure (unhas esculpidas, escovadas, limadas com força, etc.);
  • Micose (cândida albicans é o fungo que ataca as unhas e pode provocar vermelhidão da pele e queda da unha).

Recomendações para evitar as unhas frágeis


Se você não quer sofrer desse problema ou tem predisposição, então, considere as seguintes dicas:

  • Lave os pratos com luvas e se possível uma vez por dia, nada mais: detergente e água em excesso são ruins para as mãos e unhas, os químicos do primeiro e a temperatura do segundo deixa as unhas moles e as torna mais vulneráveis aos inconvenientes. Encha um recipiente com água e detergente e acumule ali os pratos e talheres sujos, assim será mais fácil lavá-los posteriormente. Além disso, não se esqueça de colocar luvas de látex, mas atenção, por debaixo delas use sempre algodão, para absorver a transpiração.

unhas3

  • Consuma mais proteínas: tanto as unhas como o cabelo são formados por proteínas. Se há um déficit é necessário consumir mais esse nutriente, que pode ser encontrado em carnes, verduras folhosas e na soja, por exemplo.
  • Consuma ácidos graxos: também são muito importantes para manter as unhas saudáveis e fortes. Podem ser encontrados em ovos, leite integral, nozes, todas as verduras, manteiga e como suplemento no azeite de linhaça.
  • Repare as unhas: se suas unhas costumam quebrar o melhor é corta-las mais próximas dos dedos possível e, além disso, repara-las quando se partem para que não continuem quebrando. Você pode lixá-las ou usar um curativo. Se você quer “salva-la”, algumas mulheres optam por aplicar uma gota de cola e por cima um pedacinho de papel do saquinho de chá. Por fim, aplicam uma camada de esmalte.

unhas4

  • Preste atenção na manicure: não raspe as unhas quando o esmalte esta descascando, porque isso debilita a capa superior da unha. Limite-se ao uso de acetona, use pouco e uma vez por semana, porque do contrário sua unha se ressecará. Evite endurecedores ou unhas artificiais, servem para “ocultar” o real problema. Quando deixar de utiliza-las toda a fragilidade da unha se tornará evidente e pior.
  • Não use as unhas como ferramentas: suas unhas não são abridores de latas, nem servem para tirar etiquetas, por exemplo. Isso faz com que as unhas se debilitem muito e se rompam com mais facilidade.
  • Não as deixe de molho por muito tempo: você pode dar um banho de imersão nas unhas uma vez por semana, mas não deve fazê-lo todos os dias. Tome cuidado quando sair de férias ou no verão ao usar a piscina diariamente (nesse último caso, o cloro é um vilão para as unhas e pele).

unhas5

  • Realize um mantimento correto a cada semana: para isso, esfolie as mãos com uma mistura de sal e azeite de oliva, com a qual as esfregará completamente. Logo tire o esmalte para depois lixar as unhas para que fiquem uniformes e sem imperfeições. Sempre na mesma direção, nunca lixe indo e voltando. Molhe-as em água morna por alguns minutos, aplique um creme que umedeça e massageie as mãos. Outra boa opção é envolver as mãos por um tempo em uma toalha.
  • Use algum remédio caseiro: os mais populares são as misturas do suco de limão com açúcar; vinagre de sidra e água morna; óleo de rícino, mel e óleo de gérmen de trigo; alho cru socado com esmalte; endro (também conhecido como aneto) com água; bicarbonato de sódio com água; mamão, clara de ovo e óleo de amêndoas, etc. Em todos os casos você deve aplicar sobre as unhas e deixar atuar por alguns minutos, depois lavar com água morna.
http://melhorcomsaude.com/
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO

Este site tem finalidades exclusivamente informativas.
É importante esclarecer que este site, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.
Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a
manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,independentemente de censura ou licença" (inciso IX).