segunda-feira, 21 de abril de 2014

PLANTAS QUE CURAM



ATENÇÃO: As informações contidas neste site apresentam apenas finalidades informativas e não devem ser usadas para diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença e muito menos substituir cuidados médicos adequados.




Alcachofra (Cynara scolymus)

ABACATEIRO (Persea gratíssima): Rico em vitaminas e proteínas, é diurético, usado popularmente no combate à gota, ácido úrico e para eliminar cálculos renais e biliares. O chá da folha do abacateiro é diurético e carminativo (elimina gases intestinais), além de ajudar a vesícula a liberar a bile, melhorando a digestão das gorduras. É preferível usar as folhas secas, pois as verdes são estimulantes e aceleram os batimentos cardíacos. A polpa do abacate é fortificante dos cabelos e tem alto poder cicatrizante. O caroço (semente) tostado e moído bem fino é auxiliar no combate à diarréia e à disenteria. A polpa é muito rica em nutrientes, vitaminas, sais minerais e antioxidantes. Suas gorduras são parecidas com as do azeite de oliva e seu teor de colesterol é baixo ao contrário do que muita gente pensa.

ABÓBORA (Curcubita pepo): As folhas são usadas em cataplasma em casos de queimaduras e inflamações. É excelente vermífugo, tônico para o fígado, rins e intestinos. Contém grande quantidade de vitamina A, essencial para a saúde da pele e mucosas.

AÇAFRÃO (Crocus sativus): Usado popularmente contra a tosse, bronquite, ansiedade e insônia. Ajuda a melhorar as funções de muitas enzimas do fígado.

ABRUNHEIRO (Prunus spinosa L): Considerado digestivo, aperitivo, carminativo (elimina gases intestinais), antiespasmódico e emenagogo (ajuda a regular a menstruação). Combate a tosse causada pela bronquite crônica, ansiedade, insônia. São utilizados os frutos bem maduros e as flores secas. Seu uso não é recomendado durante a gravidez, pois em alta dosagem pode ser tóxico, abortivo, causar hemorragias, vômitos, diarréias e vertigens.

ABSINTO (Artemisia absinthum): Popularmente é usado como estimulante, em pequenas doses. Conhecido por ajudar a amenizar a anemia e descarregar a bílis. Costuma ser consumido na forma de um chá com hortelã e canela. Evitar na gravidez e na lactação, embora seja considerado emenagogo (ajuda a regular a menstruação).

ACEROLA (Malpighia glabra L.): A acerola é uma das frutas mais ricas em vitamina C, que também é conhecida como ácido ascórbico. A vitamina C é fundamental para síntese de colágeno, proteína que dá resistência à pele, ossos, dentes, tendões e vasos sanguíneos. A vitamina C também é importante para a absorção intestinal de ferro e um potente antioxidante, diminuindo a ação dos radicais livres sobre as células do organismo. A deficiência de vitamina C é caracterizada por dificuldade na cicatrização, por defeitos na formação dos dentes e fragilidade aumentada dos vasos sanguíneos.

AGONIADA (Plumeria lancifoliata): Popularmente considerada pr ser calmante das histerias, amenizar cólicas, menstruações difíceis e dolorosas e as febres intermitentes.

ALCACHOFRA (Cynara scolymus): Indicada popularmente contra psoríase, doenças das vias biliares e hepáticas, diabetes, icterícia, eczemas, erupções cutâneas, anemia, escorbuto, raquitismo, colesterol, hemorróidas, prostatite, uretrite, bronquite asmática, debilidade cardíaca, hepatite, colecistite. Possui substâncias com efeitos benéficos para as vias biliares e hepáticas. Possui como princípios ativos a cinarina e o ácido cafeico que estimulam a formação da bile hepática, regularizam a formação de sais biliares e o colesterol. Seu uso é indicado para os diabéticos. Ótimo diurético, ajuda a eliminar o ácido úrico e o reumatismo. Evitar na lactação.As folhas ajudam a reduzir a taxa de açúcar no sangue e são usadas como coadjuvantes no tratamento da diabetes. Tem efeito antiesclerótico, ou seja, auxilia a evitar o endurecimento das artérias. O suco fresco é utilizado externamente para tratar eczemas e erupções cutâneas. O consumo da alcachofra é excelente para quem sofre de anemia, pois é uma fonte muito rica em ferro. Por ter ação digestiva, auxilia também na prisão de ventre. Combate o escorbuto e o raquitismo pelo conteúdo de suas vitaminas.

ALCAÇUZ (Glycyrrhiza glabra): Na medicina popular é indicado para alivar tosse, combater úlceras, como laxante e expectorante. Usado também nas conjuntivites, desordens do fígado, desequilíbrios hormonais e problemas da garganta. O uso medicinal do alcaçuz é datado dos povos antigos do Egito, relatado em seus papiros. A complicada composição química do alcaçuz dá a ele um largo espectro de propriedades. Centenas de estudos já comprovaram sua ação no tratamento de doenças do fígado, supra-renais, desequilíbrios hormonais e úlceras pépticas. Na China, onde é uma das ervas mais utilizadas, é indicado para o baço, rins e proteger o fígado de doenças. No Japão um preparado de alcaçuz é utilizado para tratar a hepatite. Muitos estudos comparam sua ação com a hidrocortisona, mas sem seus efeitos colaterais. Como a cortisona, teria o efeito de diminuir as inflamações e aliviar sintomas de artrite e alergias, daí seu efeito anti-histamínico. A raiz possui glicirrizina (cinqüenta vezes mais doce que a sacarose), que favorece a formação de hormônio como a hidrocortisona. Mulheres com ciclos menstruais irregulares costumam usar alcaçuz para normalizar seus ciclos, pelo equilíbrio hormonal. O alcaçuz é ligeiramente laxante.

Alecrim (Rosmarinus officinalis): Também conhecido como alecrim-de-jardim, alecrim-rosmarino ou libanotis. Considerado estimulante e digestivo, apresenta propriedades antiespasmódicas, e vasodilatoras. É também antiácido e antiséptico. Muito usado nos problemas digestivos, essencialmente nos males que acometem o fígado. Por suas virtudes tônicas e estimulantes é indicado contra a depressão e o cansaço físico. Popularmente , o alecrim é usado contra dores reumáticas, gases intestinais, debilidade cardíaca, inapetência, cicatrização de feridas, dor de cabeça de origem digestiva e problemas respiratórios. Em altas doses pode ser tóxico e abortivo. Em doses elevadas pode provocar irritações gastrointestinais.

ALFAFA (Medicago sativa): Planta usada como suplemento alimentar, rica em vitaminas (especialmente a vitamina K), minerais, contém potássio, magnésio, fósforo e cálcio. Age nas anemias e hemorragias. Revigorante nos casos de fadiga e alimentação insuficiente. O rico valor nutricional da alfafa torna-a um alimento valioso.

ALFAVACA (Ocimum basilicum): Também conhecida como basilicão, erva-real, manjericão de molho. Tem poder antiséptico, ajuda na cura de feridas e hematomas. A infusão forte pode ser usada em gargarejos e bochechos contra dor de garganta, mau hálito e aftas. Serve ainda contra queda de cabelos (deixar agir por cinco minutos e enxágüe). O chá é usado contra náuseas, gases e disenterias.

ALFARROBA (Ceratonia siliqua L): Usada como antidiarréico para crianças. A alfarroba (do árabe “al karrub”, a vagem), é o fruto da alfarrobeira. É também consumida na forma de chá numa composição com erva-mate e menta. Há relatos que suas sementes foram usadas, no antigo Egito, para a preparação de múmias. Foram, aliás, encontrados vestígios de suas vagens em túmulos. Existem indícios de que os romanos mastigavam as suas vagens ainda verdes, muito apreciadas pelo seu sabor adocicado. O pó que é utilizado para substituir o cacau é derivado da polpa da vagem que é torrada e moída. É utilizado por quem não pode ou não quer comer chocolate, seja por causa da cafeína ou por causa do açúcar, tem aparência idêntica e sabor bem mais suave.

ALFAZEMA (Lavandula officinalis): Poderoso anti-séptico, cicatrizante, estimula a circulação periférica, é antidepressiva, sedativa e analgésica. A planta também é considerada desodorante, purificante e ótimo repelente de insetos. Conhecida popularmente como lavanda, suas flores são indicadas contra o reumatismo, nevralgias, excitação nervosa, insônia, vertigens, contusões, feridas, inapetência, má digestão, asma, coqueluche, faringite, laringite, depressão, cistites, enxaquecas, bronquite, corrimento vaginal, prurido vaginal, sarna, piolho.

AGNUS CASTUS (Vitex agnus castus): Nativo da Grécia e da Itália, é uma planta cercada de lendas e mitos. Foi muito utilizada pelos célebres médicos da Grécia antiga, como Hipócrates e Dioscórides, no tratamento do desequilíbrio hormonal feminino e suas consequências na vida cotidiana da mulher. Pesquisas científicas têm comprovado a capacidade do Vitex de modular os níveis dos hormônios femininos, o que o torna útil em alguns distúrbios menstruais, como: dismenorréia (fluxo menstrual doloroso e irregular), hipermenorréia (hemorragia menstrual excessiva), oligomenorréia (menstruação anormalmente frequente), anovulação (suspensão da ovulação), amenorréia primária e secundária. É indicado também nos casos de mastodínia (dor nas mamas) e hiperprolactinemia (excesso de prolactina).

AGONIADA (Plumeria lancifolia): Árvore de grande altura, tronco grosso, cujo lenho se caracteriza pela dureza, tendo folhas e cascas extremamente amargas. Possui atividade laxativa, utilizada em casos febris, na amenorréia, nas menstruações difíceis e doloridas, regularizando essas funções..

ALHO (Alium sativum): Poderoso depurativo do sangue, é considerado expectorante, antiséptico pulmonar, antinflamatório, antibacteriano, tônico, vermífugo, hipoglicemiante, antiplaquetártio, antioxidante, diminui o colesterol e a viscosidade sanguínea. Indicado na diabete, hipertensão, bronquite, asma e gripes. Apresenta propriedades desinfetantes, antinflamatórias, antibióticas, anti-sépticas e vermífugas. O chá de alho é famoso por sua ação contra vermes e parasitas, além disso, é usado também na hipertensão, picadas de insetos e contra o ácido úrico. Deve ser usado com cautela por pessoas com problemas estomacais e úlceras. Seu uso não é recomendado em recém-nascidos nem por mulheres amamentando. Em doses muito elevadas, pode provocar dores de cabeça e de estômago.

AMEIXEIRA (Prunus doméstica): Tanto as folhas como o fruto, servem para soltar o intestino e regularizar as funções digestivas.

AMORA (Morus alba L. ou Morus Nigra): As folhas são empregadas no combate ao diabetes e às pedras nos rins. Recentemente descobriu-se ser muito útil na reposição hormonal. É também laxativa, sedativa, expectorante, refrescante, emoliente, calmante, diurética, antiinflamatória e tônica. Popularmente é indicada para problemas da pressão sanguínea, tosse, inapetência, prisão de ventre, inflamação da boca, febre, dermatoses, eczemas, erupções cutâneas. São conhecidas duas variedades alba e nigra. A segunda com frutos negros e a primeira com frutos brancos. No século XVI, na Europa, se empregavam tanto os frutos como a casca e as folhas da amora negra. O fruto para as inflamações e hemorragias, a casca para as dores de dentes e as folhas para as mordidas de cobra e também como antídoto de envenenamento por acônito. O chá de Amora é conhecido como regulador natural dos hormônios, por isso é amplamente indicado nos sintomas da menopausa. :
É usado popularmente para combater a osteoporose e como tônico muscular nas práticas desportivas, por possuir alto teor de potássio. Depurativo do sangue, anti-séptico, vermífugo, digestivo, calmante, diurético, laxativo e refrescante.

ANDIROBA (Carapa guaianensis): A semente desta planta amazônica serve como repelente e como reconstituinte celular da derme, eliminando inflamações e dores superficiais. Tem ação purgativa na eliminação de vermes. O óleo das sementes, que contem o alcalóide andirobina e matérias gordurosas, é utilizado na medicina popular, em compressas e fricções, como antiinflamatório, antibacteriano, cicatrizante, repelente de insetos. A casca do caule, as folhas e sementes são usadas em chás como adstrigente, no tratamento de diarréias, doenças da pele e limpeza de feridas.

ANGÉLICA (Angelica officinalis, archangelica): Muito indicada no trato digestivo e na insuficiência de suco gástrico e problemas estomacais. Usada também nas dores de cabeça, dores reumáticas e em casos de nervosismo, depressão e ansiedade.

ANIS ESTRELADO (Illicium verum): Estimulante do sistema digestivo, calmante, diurético, cicatrizante, antiinflamatório e antiviral. Usado contra acidez estomacal, gases, diarréia e cólicas intestinais. Útil nas gripes e resfriados. Tem a fama de ajudar a aumentar o leite materno.

ARNICA (Arnica montana): Considerada poderosa antiinflamatória, tônica estimulante, anti-séptica e analgésica. Indicada para uso externo por ajudar a bloquear a inflamação causada por traumatismos e reabsorver as células necróticas. Indicada em contusões, entorses, hematomas e traumatismos, flebites, furúnculos. O uso no couro cabeludo ajudaria a combater a querda dos cabelos. Não é recomendado o uso interno.

AROEIRA (Schinus terebinthifolius): Também conhecida como aroeira-do-paraná, aroeira-mansa e aroeira-vermelha. Têm sido comprovadas cientificamente suas propriedades adstringentes e antimicrobiana, além de sua eficácia na proteção contra úlcera gástrica. Balsâmica, é também empregada nas doenças de vias urinárias, como cistite. Nas bronquites, gripes e resfriados, ajuda a combater febre e secreções.

ARRUDA (Ruta graveoleons): Usada popularmente contra gases, nelvralgias e como vermífugo; além de combater piolhos e coceiras. Seu princípio, a rutina, ajuda a aumentar a resistência de vasos capilares sanguíneos. Indicada especialmente nos reumatismos, nevralgias, verminoses e problemas respiratórios, sua inalação abre os brônquios. É emenagoga, antiespasmódica e estimulante. Deve ser usada com muita cautela.

ARTEMISIA (Artemísia vulgaris): Também conhecida como losna-brava. Suas folhas são usadas como repelentes de insetos. Planta com ação estimulante sobre o útero, deve ser evitada por mulheres grávidas, por ser emenagoga. O chá ajuda a combater problemas de ovários, ciclo menstrual irregular, lombrigas e anemia. Não deve ser consumida em excesso.

ASSA PEIXE (Vernonia polyanthes Less, Bohemeria caudata): A infusão das folhas é usada em casos de gripes, tosse persistente e bronquite, aliviando dores no peito e nas costas. A infusão das folhas e das raízes tem efeito diurético e ajuda a eliminar cálculos renais.

AVEIA (Avena sativa): Combate a astenia e hemorróidas, acalma dores reumáticas, dá brilho aos cabelos, estimula a energia física e aumenta a capacidade de concentração. Auxilia em casos de arterioscleroses atuando contra o ácido úrico. Constitui um excelente alimento para diabéticos e hipertensos.

AVENCA (Adiantum capillus veneris): Tem ação protetora sobre peles sensíveis e age contra queda de cabelos. Combate males respiratórios como bronquite e tosse com catarro.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO

Este site tem finalidades exclusivamente informativas.
É importante esclarecer que este site, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.
Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a
manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,independentemente de censura ou licença" (inciso IX).