sexta-feira, 29 de agosto de 2014

1h de uso de narguilé corresponde a 100 cigarros, alertam especialistas



 Cerca de 25 milhões de brasileiros ainda mantém o hábito


Fumar narguilé e cigarros eletrônicos podem trazer riscos semelhantes ou mesmo maiores que outras formas de uso de tabaco Arkady Chubykin/Foto Stock
Nesta sexta-feira (29) é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Fumo e especialistas aproveitam a data para alertar a população sobre os perigos do narguilé, produto similar ao cigarro e que não é levado tão a sério pelos usuários. De acordo com especialistas, o dispositivo é tão prejudicial à saúde, talvez até mais, do que um cigarro comum.
Para Alberto José de Araújo, membro da Comissão de Controle do Tabagismo do CFM (Conselho Federal de Medicina), há um acúmulo de evidências que sugerem que fumar narguilé e cigarros eletrônicos podem trazer riscos semelhantes ou mesmo maiores que outras formas de uso de tabaco, comprometendo a saúde de seus usuários.
― A concentração de nicotina nesses produtos é extremamente alta. Uma hora de uso do narguilé corresponde a cem cigarros comuns.
Narguilé pode ser pior que o cigarro, avisa especialista
Segundo o especialista, outro ponto de preocupação é que o narguilé, que é considerado um produto artesanal e por isso não é proibido no Brasil, funciona como porta de entrada para o consumo de cigarros.
― Há estudos demostrando o preocupante aumento de jovens consumindo-os. A grande parte dos fumantes de hoje começaram o vício com menos de 18 anos.
De acordo com o CFM, apesar da queda do número de fumantes nos últimos anos, 25 milhões de brasileiros ainda mantém o hábito. Todos os anos, o tabagismo é corresponsável pela morte de aproximadamente 200 mil pessoas no país. 
Fonte R7 
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO

Este site tem finalidades exclusivamente informativas.
É importante esclarecer que este site, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.
Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a
manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,independentemente de censura ou licença" (inciso IX).