terça-feira, 26 de agosto de 2014

Hipertensão arterial



Hipertensão arterial

Em situação de stress, é normal que a tensão arterial se eleve, mas se esta se mantiver elevada mesmo quando se está em repouso, estar-se-à provavelmente, perante um caso de hipertensão arterial. O sangue exerce então uma forte pressão sobre as paredes das artérias.
Segundo a OMS, 30% dos homens e 50% das mulheres com idades entre os 65 e os 75 anos sofrem de hipertensão. Como a hipertensão arterial é geralmente assintomática, pode, tal como M. Jourdan que fazia prosa sem o saber, ter hipertensão e ignorá-lo. Mas a hipertensão é nitidamente mais perigosa do que a prosa. E não é por acaso que os especialistas a denominam o “assassino silencioso” ! A longo prazo, uma hipertensão não controlada provoca aterosclerose, isto é, um aperto das artérias e, eventualmente, o seu estrangulamento. Representa, portanto, um importante factor de risco para as crises cardíacas, os acidentes vasculares cerebrais, a insuficiência renal e os distúrbios da visão. Aliás, neste último caso, a hipertensão pode mesmo conduzir à perda total da visão.

Quais são os sintomas?

A hipertensão é geralmente assintomática, mas uma hipertensão grave pode ocasionar diversos sintomas.
-  Dores de cabeça acompanhadas de fadiga. (Estas dores de cabeça são localizadas ao nível da nuca e manifestam-se muito cedo, de manhã.)
-  Vertigens ou zumbidos dos ouvidos.
-  Palpitações.
-  Hemorragia nasal.
-  Confusão, sonolência.
-  Entorpecimento, formigueiro nos pés e nas mãos.

Quais são as causas físicas?

—► Em caso de hipertensão essencial ou primária (85% dos casos):
-  Hereditariedade.
-  Idade.
-  Alimentação inadequada.
-  Obesidade.
-  Tabagismo.
-  Inactividade física. -Etc.

—► Em caso de hipertensão secundária:
-  Afecção renal ou endócrina.
-  Ingestão de certos medicamentos (anti-inflamatórios, descongestionantes).

Quais são as causas psicológicas?

-  Stress, angústia.
-  Raiva.
-  Ambição.
Ver também Distúrbios cardiovasculares.

Como curar-se mais depressa

Antes de recorrer aos medicamentos, o médico deverá incitar o doente a adoptar algumas medidas relativas ao seu modo de vida (ver a seguir). Se estas não derem os resultados pretendidos, diversos medicamentos podem assegurar um controlo adequado da hipertensão: diuréticos, betabloqueantes, inibidores cálcicos e inibidores da enzima de conversão, etc.
Quando tomados por tempo prolongado, estes medicamentos podem dar origem a efeitos secundários. O ideal será, portanto, começar por uma abordagem mais “suave”, que, de qualquer modo, acabará, mais tarde ou mais cedo, por se revelar mais eficaz.

 

Os melhores expedientes dos médicos

—► Experimente o regime DASH
Nos Estados Unidos, os National Institutes of Health (NIH) preconizam o regime DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension = Abordagens Dietéticas para Combater a Hipertensão). Este regime alimentar, muito semelhante à dieta mediterrânica, é especialmente concebido para tratar a hipertensão. Estudos realizados demonstraram já a sua eficácia e, no caso de uma hipertensão em fase 1, poderá mesmo substituir os medicamentos habituais.
É aliás uma abordagem vivamente recomendada pelos médicos americanos Andrew Weil e Julian Whitaker, os dois mais célebres defensores das medicinas alternativas nos Estados Unidos.
Grosso modo, esta dieta resume-se às quatro medidas seguintes.
-  Consumir muitos frutos e legumes.
-  Comer alimentos ricos em cálcio, magnésio e potássio.
-   Limitar o consumo de sal. Alguns estudos indicam que 30% dos hipertensos (em particular os que apresentam maior sensibilidade ao sódio), podem controlar a pressão sanguínea ao reduzirem o consumo de sal.
-   Comer alho. Embora as suas propriedades benéficas não estejam ainda comprovadas de forma rigorosa, vários médicos recomendam o alho pelas suas propriedades vasodilatadoras. Para mais pormenores, leia adiante.
—► Pratique regularmente exercício físico
Os exercícios de tipo cardiovascular (marcha rápida, corrida, bicicleta, dança, natação) poderão fazer imenso bem. Idealmente, deverá praticar durante cerca de 45 minutos, 3 a 4 vezes por semana.
Peça a opinião do seu médico antes de empreender qualquer programa de exercício. Em caso de tensão elevada, certos exercícios podem ser contra­indicados, nomeadamente os que obrigam a levantar pesos (lançamento do peso, halterofilia, etc.).

As melhores plantas

—► Alho (Allium sativum L.)
Valerá certamente a pena experimentar! Várias investigações demonstram que o alho pode reduzir a tensão arterial de 2 a 7%, após 4 semanas de tratamento.
Utilização: Em estudos clínicos foram utilizados extractos de 600 a 1200 mg. distribuídos em 3 doses diárias. Estes extractos consistiram em pó de alho estandardizado contendo 1,3% de alliine.
—► Folha de oliveira (Olea europaea)
A investigação tende a confirmar o uso empírico da folha de oliveira contra a hipertensão arterial.
Utilização: Tome uma chávena de tisana, 3 a 4 vezes por dia. Deixe em infusão 2 colheres de café de folhas secas numa chávena de água a ferver, durante 30 minutos e depois coe.

Quais são os melhores suplementos?

—► Óleos de peixe
Certos peixes, como o arenque, a cavala, o salmão, a sardinha ou a truta, contêm óleos ricos em ácidos gordos omega-3 – e muito particularmente sob a forma de ácido eicosapentaenóico e de ácidoe docosahexaenóico.
Diversos estudos sugerem que os suplementos de óleo de peixe poderão reduzir modestamente – embora de forma significativa – a pressão sistólica e diastólica, nos doentes que sofrem de hipertensão ligeira.
Utilização: Tome diariamente 4 g de óleo de peixe ou um suplemento que lhe forneça 2,04 g de EPA (ácido eicosapentaenóico) e 1,4 de DHA (ácido docosahexaenóico).
—► Potássio
Segundo uma meta-análise de estudos controlados, o potássio poderá ser útil no tratamento da hipertensão. A administração de suplementos de potássio parece reduzir a pressão sistólica em cerca de 2-4 mmHg e a pressão diastólica em cerca de 0,5-3,5 mmHg.
De referir, no entanto, que o potássio será sobretudo eficaz nos doentes cuja taxa de potássio é fraca e nos que consomem muito sal.
Utilização: Os suplementos deverão ser adaptados a cada caso, em função da sua taxa de potássio sanguíneo.

Outras boas alternativas

—► Acupunctura
Vários estudos de pequena dimensão demonstram que a acupunctura pode fazer baixar a tensão arterial.
—► T’ai Chi
Num estudo de selecção aleatória, com a duração de 12 semanas, um programa de T’ai Chi revelou ser tão eficaz como os exercícios cardiovasculares, na redução da tensão arterial em pessoas de idade igual ou superior a 60 anos que não praticavam qualquer exercício físico antes do estudo.
Este estudo vem também provar que a prática de exercícios ligeiros poderia ser suficiente para reduzir a tensão arterial, nas pessoas de idade.
—► Homeopatia
Um tratamento de fundo poderá ser útil a longo prazo. Consulte um homeopata.

As melhores abordagens Psicológicas

—► Primeiras medidas importantes:
-   Uma vez que o stress pode fazer subir a tensão arterial, dedique-se a actividades que possam eliminar o stress (meditação, relaxamento muscular., Ioga, biofeedback, auto-hipnose, etc.) pelo menos 2 ou 3 vezes por semana.
-   Evite as preocupações inúteis.
—► Em estado de auto-hipnose (ver o capítulo 32), repita uma das afirmações seguintes:
-   Vou avançando alegremente.
-   Abandono-me às forças de vida.
—► Experimente igualmente a visualização seguinte:
  1. Feche os olhos e expire 3 vezes.
  2. Imagine-se deitado numa praia maravilhosa.
  3. Como uma esponja, absorva a harmonia que se liberta do seu ambiente. Deixe-se embalar pelo som das ondas. Sinta a brisa e o doce calor do sol acariciar o seu corpo.
  4. Respire o ar fresco e regenerador do mar alto. Pouco a pouco, a harmonia da natureza irá acalmá-lo, e poderá sentir a tensão arterial voltar ao normal.
  5. Abra os olhos.
Repita esta visualização de manhã e à noite, sempre que sentir que a tensão se eleva.

Como prevenir a hipertensão?

  • A hipertensão descobre-se, geralmente, por mero acaso, num exame de rotina. Se tiver mais de 50 anos será, assim, importante medir a tensão arterial, pelo menos, de dois em dois anos, para prevenir surpresas. Adopte uma dieta mediterrânica. Limite o consumo de sal. Os produtos de charcutaria, os petiscos, a “fast food” e os alimentos em conserva, designadamente as sopas, são em geral demasiado salgados.
  • Consuma alimentos ricos em potássio (damasco, banana, citrinos, pêssego, maçã, ameixa, tomate, favas, cereais integrais, batatas e pêra abacate).
  • Coma peixes ricos em ácidos gordos omega-3, mas evite os peixes que contêm demasiado mercúrio, como o atum, uma vez que esta substância eleva a pressão sanguínea. 
  • Mantenha um peso saudável (idealmente, combinando o exercício físico com bons hábitos alimentares).
  • Limite o consumo de álcool. Não mais de dois copos de cerveja ou de vinho por dia.
  • Pratique exercício físico regularmente.
  • E sobretudo: aproveite a vida.

Faça ao menos isto:

-Experimente o regime DASH.
-  Pratique exercício físico regularmente.
-  Tome alho e suplementos de óleo de peixe.
Reduza o stress por meio de uma técnica de relaxamento e procure gerir
melhor o seu tempo.

De Glossário das Doenças, do Livro O FACTOR X – Como curar-se mais depressa, de ROBERT DEHIN & JOCELYNE AUBRY, Publicações Prevenção de Saúde.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO

Este site tem finalidades exclusivamente informativas.
É importante esclarecer que este site, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.
Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a
manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,independentemente de censura ou licença" (inciso IX).