terça-feira, 26 de agosto de 2014

Fibromas Uterinos



Fibromas uterinos

Aproximadamente 30% das mulheres com mais de 30 anos apresentam um ou mais fibromas. Nesta percentagem incluem-se normalmente mulheres que têm perdas menstruais abundantes e/ou relações sexuais dolorosas.
Os fibromas uterinos são excrescências hormonodependentes, geralmente presas à parede interna do útero. Pode variar entre o tamanho de uma ervilha o de … uma bola de futebol!
Não apresentando, muitas vezes, quaisquer consequências, os fibromas acabam por desaparecer por si mesmos com a menopausa, quando são pequenos. É muito raro um fibroma tornar-se canceroso (1 caso em 1000).

Quais são os sintomas?

-     Aumento das perdas menstruais (períodos mais abundantes e mais prolongados).
-     Perdas sanguíneas após o coito.
-     Sangramento nos dias que antecedem o período menstrual.
-     Aumento e distorção do baixo ventre.
-     Dores no baixo ventre e no fundo das costas.
-     Incontinência urinária devido à pressão do fibroma sobre a bexiga.
-     Obstipação devido a uma compressão sobre o recto.
-     Infertilidade.
-     Abortos repetidos.
-     Partos prematuros.

Quais são as causas físicas?

-     Não estão ainda totalmente esclarecidas, mas a hereditariedade parece desempenhar aqui um papel importante. Se a sua mãe sofreu um ou mais fibromas, correrá então maior risco de vir a tê-los também.
-     Um excesso de estrogénios e uma carência em progesterona podem igualmente favorecer o crescimento de fibromas.
NOTA: Muitas vezes, mulheres que não apresentam qualquer desequilíbrio hormonal têm, no entanto, fibromas. 

Quais são as causas psicológicas?

Os fibromas uterinos podem estar ligados a uma agressão ao ego feminino, a um ferimento infligido pelo parceiro e do qual não tenha conseguido libertar-se.

Como curar-se mais depressa

Um fibroma que não provoque sintomas raramente requer tratamento. Deve-se, no entanto, consultar regularmente o ginecologista, a fim de seguir a sua evolução.
No caso de um fibroma incomodativo, algumas soluções médicas poderão ser empreendidas. O ginecologista poderá então prescrever um dos tratamentos seguintes:
-      Um contraceptivo oral de fraco teor de estrogénios, para reduzir o fluxo menstrual.
-      Um derivado da progesterona, para limitar a acção dos estrogénios e, consequentemente, travar o desenvolvimento do fibroma. Este tratamento, que permite estabilizar entre 70% a 80% dos casos, actua regularizando os períodos menstruais e eliminando as perdas sanguíneas. É geralmente bem tolerado, mas deve ser seguido até à menopausa.
-      Tomar Gn-RH, uma hormona que permite reduzir a taxa de estrogénios e, por conseguinte, o tamanho dos fibromas. Os efeitos secundários da Gn-RH são os provocados pela menopausa: afrontamentos, secura vaginal, variações do humor, fragilização dos ossos, etc. Em suma, nada de muito agradável!
Nos casos mais graves (perdas sanguíneas incontroláveis, infertilidade, dores abdominais ou lombares intensas, fibroma cancerígeno), o cirurgião poderá optar por uma miomectomia (ablação do fibroma, ou mioma) ou uma histerectomia (ablação do útero), a fim de suprimir os fibromas.
Felizmente, existem determinados meios naturais que permitem reduzir o tamanho dos fibromas, evitando intervenções mais profundas.

Os melhores suplementos

—► Ferro
Quando os períodos menstruais são longos e abundantes, podem ser indicados suplementos de ferro para prevenir uma carência demasiado grande deste mineral.
—► Vitamina E
Para reduzir o tamanho dos fibromas, tome 400 UI de vitamina E, 2 vezes por dia.

Outras boas alternativas

Pode consultar diferentes especialistas em naturopatia, em osteopatia ou em acupunctura. No entanto, as duas abordagens que a seguir descrevemos são imprescindíveis.
—► Alimentação
Para reduzir o tamanho dos fibromas, aplique as seguintes medidas alimentares:
-    Evitar as carnes, aves, ovos e lacticínios, a menos que tenha a garantia de que estes alimentos estão isentos de hormonas.
-    Consumir regularmente soja ou produtos derivados (tofu, leite de soja, miso, etc.).
-    Limitar o consumo de gorduras a 25% das calorias totais.
-    Favorecer o consumo de óleos vegetais (AG poli e mono-insaturados). Os óleos vegetais fornecem os ácidos gordos essenciais que não são produzidos pelo organismo.
-    Aumentar o consumo de ácidos gordos poli-insaturados do tipo omega-3 (óleo de linhaça, óleo de canola, óleo de soja, óleo de peixes).
-    Consumir muitos frutos e legumes de cultura biológica.
—► Exercício físico
A prática regular de exercícios cardiovasculares pode contribuir para reduzir os fibromas.

As melhores abordagens psicológicas

—► Primeira medida importante:
Consulte um especialista para resolver os problemas sexuais, se a causa residir aí.
—► Em estado de auto-hipnose (ver o capítulo 32), repita uma das afirmações seguintes:
-    Vou curar-me de todos os ferimentos provocados pelo meu parceiro. Sei perdoar e vou libertar-me das suas consequências no meu útero.
-    Procuro fazer sempre o que é melhor para mim.
—► Experimente também a visualização seguinte:
  1. Feche os olhos.
  2. Deixe que lhe surjam à memória todos os acontecimentos felizes que partilhou com o seu parceiro.
  3. Deixe-se impregnar pela sensação de bem-estar que se liberta destas recordações. A partir desta impressão, permita que se corporize em si um “amante interior”, um amante ideal cheio de bons sentimentos para consigo.
  4. Visualize a mão deste amante a acariciar-lhe o ventre, cuja irradiação vai dissolver todos os tecidos uterinos patológicos.
  5. Faça algumas respirações profundas e abra os olhos.

Como prevenir os fibromas?

  • A mulher sexualmente activa e/ou que tenha mais de 18 anos deverá submeter-se a um exame ginecológico pelo menos de dois em dois anos, por forma a detectar rapidamente qualquer anomalia. Em caso de fibroma(s) uterino(s) diagnosticado(s), será desejável um exame anual, para prevenir eventuais complicações.
  • Pratique exercício físico. As mulheres desportivas estão menos sujeitas a fibromas do que as sedentárias ou obesas.

Faça ao menos isto:

-    Experimente a vitamina E.
-    Siga uma alimentação saudável e pratique exercício físico.

De Glossário das Doenças, do Livro O FACTOR X – Como curar-se mais depressa, de ROBERT DEHIN & JOCELYNE AUBRY, Publicações Prevenção de Saúde.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO

Este site tem finalidades exclusivamente informativas.
É importante esclarecer que este site, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.
Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a
manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,independentemente de censura ou licença" (inciso IX).