segunda-feira, 30 de maio de 2016

Óleos naturais hidratam, alisam, dão brilho e força aos seus cabelos


óleos naturais hidratam, alisam, dão brilho e força aos seus cabelos
Para quem acompanha o mundo do tratamento capilar pode ter observado que, de repente, surge um óleo milagroso. E, o que é mais intrigante, é que este óleo não é produzido no Brasil, mas vem de terras distantes e geralmente está associado a sua escassez no mercado. Esta fórmula culmina com preço exorbitante para queira usar este óleo raro. Não quero dizer que estes óleos não sejam bons, mas o que queria deixar bem claro é que no Brasil existe uma variedade de óleos, muito bons, e que já foram comprovados por diversos profissionais.
Ora, o Brasil é um país de um território muito vasto, recebe também muita irradiação solar, ingredientes necessários para que a sua flora seja riquíssima. Assim, óleos como o de coco, abacate, uva, rícino, romã, pequi, alecrim, pequi e o de são verdadeiras joias para o tratamento capilar.
Mas, quando se fala em óleos, eles devem ser naturais. Sem aditivos químicos. Sem perfumes e extraídos a frio, ou seja, extra-virgem, quando naturais. Na grande maioria, estes óleos não funcionam porque não são naturais, mas químicos. A legislação brasileira permite que se ponha no frasco óleo natural de X, quando na realidade, este produto não contém nem 20% do óleo que leva o nome.
Ao ler o rótulo destes óleos, vai verificar que sua composição é mais de óleo mineral. Em seguida, colocam uma série de aditivos químicos, corantes, conservantes e perfumes. A prova de que a eficiência destes óleos é pequena, é que em seu rótulo está a advertência: “Não usar em caso de lesões e ferimentos na pele”. Ora, com exceção dos óleos essenciais naturais, os óleos naturais carreadores, pelo contrário, devem ser usados como forma de cicatrizar ferimentos. Um exemplo disto é o óleo de coco, girassol e o de Copaíba.
Óleo de coco – Não existe a menor condição de negar o potencial deste óleo. Ele é conhecido desde os tempos de nossas avós. E quem quiser comprovar isto basta ler o livro do médico Marcio Bomtempo, “O poder medicinal do óleo de coco extra-virgem”. O coco é rico em ácidos graxos e vitamina E, é um ótimo hidratante e tem alto poder de penetração na cutícula do fio, por isso é indicado para fios ressecados. Também controla o frizz e as pontas duplas, além de deixar os cabelos mais maleáveis e fáceis de pentear. Indiscutivelmente é uma ótima opção para quem quer hidratar os fios profundamente. Suas propriedades restauram a estrutura dos fios, proporcionando equilíbrio aos cabelos danificados.
castor-oil-plant-43220_1280 
Óleo de rícino – Produzido a partir da carrapateira, uma árvore de porte médio que produz em grande escala no Nordeste brasileiro. Ele é popularmente conhecido por óleo de mamona. Este óleo tem um potencial de hidratação muito grande. Este óleo pode ser uma ajuda e tanto para dar força e estimular o crescimento dos cabelos. Há quem use o óleo de mamona com a mesma finalidade nos cílios e sobrancelhas.
Óleo de jojoba – Considerado o mais leve entre os óleos essenciais e é bom para qualquer tipo de cabelo. Serve para dar brilho, previne a caspa e a perda dos fios. Outra propriedade importante deste óleo é deixar o bulbo capilar limpo e livre para o crescimento de novos fios.
Para entender como acontece o tratamento com o óleo de jojoba, basta lembrar que s glândulas sebáceas do couro cabeludo liberam o sebo, que tem como principal função agir como uma proteção para manter a umidade da pele na região. Desta forma, existindo resíduos de sujeira e de produtos em excesso no couro cabeludo, a função dessas glândulas é alterada. O sebo acumulado nos folículos capilares provoca queda e prejudica o crescimento de novos fios. Ao fazer massagens no couro cabeludo usando óleo de jojoba, ele vai ajudar a dissolver o sebo e deixa os folículos do cabelo livres para o crescimento dos cabelos.
uva2 
Óleo de semente de uva – Outro óleo já conhecido a bastante tempo. Ele é considerado um remédio natural para fazer os fios crescerem mais rápido, já que a vitamina E atua no fortalecimento e contribui para tornar os cabelos mais brilhantes e menos frágeis.
Este óleo apresenta uma textura não gordurosa, o que permite uma rápida absorção pelos fios. Este é um óleo que pode aplicado em qualquer tipo de cabelo.
Nos cabelos secos e crespos, o óleo suaviza as cutículas do cabelo, preservando a umidade para manter o aspecto de hidratação. Outra propriedade do óleo de uva é que ele também pode ser usado para tratamentos capilares com óleo quente.
Óleo de abacate – Este óleo é riquíssimo em vitamina A, que é ativo natural capaz de deixar os cabelos finos mais fortes e estimula o crescimento dos fios. Assim, quem tem cabelo fino, deve tomar conhecimento que este tipo precisa de cuidados especiais por serem mais frágeis. Isto acontece por dois motivos: predisposição genética. Assim, quando o córtex é muito pequeno; ou quando há queda excessiva dos fios, o que em longo tempo pode levar os cabelos a ficarem finos, pois a queda os deixa fracos. Não tenha dúvida de que o óleo de abacate é muito bom para restaurar os fios, deixando-os super-hidratados.
Slide10 
Óleo de semente de romã – Rico em antioxidantes e ácido graxo, o óleo de semente de romã ajuda na recuperação dos cabelos danificados. Ele é ótimo para manter a textura e o brilho do seu cabelo. O óleo de semente de romã é outro ativo natural bem popular, sendo muito usado nos produtos para cabelos e até para rejuvenescimento da pele. A romã é uma fruta que é mais conhecida na medicina natural pelas suas propriedades anti-inflamatória no tratamento de inflamação da garganta e rouquidão.
Óleo de Copaíba – Na verdade não é um óleo, mas uma resina. Não é à toa que ele é considerado o balsamo do Amazonas. Quem conhece e já usou a resina da copaíba sabe muito bem do que estou falando. É muito poderoso e tem sido inúmeros benefícios. Porém, no caso aqui é o cabelo. É altamente emoliente, nutritivo e hidratante, e um verdadeiro achado para cabelos tingidos. Os resinoides presentes nesse óleo protegem a cor dos fios, sendo, por isso, indicado para cabelos coloridos.
O óleo de mutamba – Este é outro óleo do tempo de minha vovó. Muito eficiente no combate a caspa e seborreia. Ele tem uma coloração avermelhada (escurece com o passar do tempo”) que intensifica os tons avermelhados, além de reduzir o volume, combater a caspa e fortalecer os fios.
Óleo de Girassol – Ajuda a hidratar, dá brilhos e deixa os cabelos saudáveis. Este é um óleo mais conhecido por suas propriedades cicatrizantes. De poder inquestionável, sendo inclusive usado com muita frequência em pacientes que estão com ferimentos e são diabéticos. Existem estudos, inclusive, que estão chegando à conclusão de que existe uma grande semelhança na composição bioquímica entre o óleo de girassol e de argan. Aqui vai uma dica. É bom olhar os rótulos dos produtos, pois existe muita gente pagando caro no vidro de óleo de argan, quando na realidade mais de 80% de óleo de girassol.
Óleo Essencial de Alecrim – Este é um óleo que ajuda a escurecer os fios, mas também é ótimo para casos de caspa e queda capilar. Ele é um óleo muito usado para quem trabalha na linha da aromaterapia. Observe que ele é essencial e não natural. Ou seja, o natural é um óleo carreador. Os óleos essenciais não são usados direto no corpo, mas sim adicionados a um óleo natural.
Óleo de limão – O óleo de limão também é essencial, assim, não se pode usá-lo diretamente no corpo. Este óleo intensifica o loiro e ajuda a doar brilho, sendo, por isso, indicado para uso em cabelos claros.

http://vidaesaudenatural.com.br
Reações:

Um comentário:

  1. http://www.belavidanatural.com.br/Default.aspx?campanha_id=32/
    Enxergamos a vida como uma teia de conexões e cada uma dessas conexões precisam estar bem, para que essa teia sustente a nutrição de nossas atividades pessoais, profissionais e evolutivas.

    ResponderExcluir

AVISO

Este site tem finalidades exclusivamente informativas.
É importante esclarecer que este site, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.
Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a
manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,independentemente de censura ou licença" (inciso IX).