terça-feira, 26 de agosto de 2014

Hipotiroidismo




Trata-se de um problema cada vez mais frequente e que atinge, mais especificamente, a mulher com mais de 40 anos. De notar que o hipotiroidismo pode levar anos a manifestar-se.

Quais são os sintomas?

-    Retardamento do ritmo cardíaco.
-    Apatia, fadiga e sonolência, depressão, falta de concentração, perda de memória, perda de equilíbrio.
-    Redução da libido.
-    Dores musculares, acompanhadas de cãibras.
-    Aumento de peso.
-    Queda de cabelo.
-    Hiposudação, sensação de frio, pele fria, seca e rugosa.
-    Alterações menstruais, com períodos mais longos e abundantes (em certas mulheres).
-    Bócio (por vezes).

Quais são as causas físicas?

O hipotiroidismo resulta de um retardamento da glândula tiróide. Daí a produção insuficiente de tiroxina e de tri-iodotironina, que são duas hormonas do crescimento indispensáveis.
Nem sempre é fácil explicar a origem deste retardamento, mas pode ser causado por:
-    hereditariedade;
-    abuso de sal;
-    o tratamento do hipertiroidismo por radioterapia;
-    administração de lítio (medicamento receitado aos maníaco-depressivos).

Quais são os factores psicológicos?

Tal como o hipertiroidismo, um stress crónico importante pode desempenhar um papel desencadeador – sobretudo quando a hereditariedade é um factor de predisposição.
Mas, neste caso, a tiróide retarda a sua actividade, em vez de aumentar a produção hormonal, como acontece no hipertiroidismo. Assim face a situações difíceis que tendam a repetir-se, pode acontecer que se reaja pelo desânimo e pelo derrotismo. Assim, verifique:
-    se exerce a sua criatividade de forma suficiente;
-    se tem uma boa comunicação com os outros … e consigo próprio.

Como curar-se mais depressa

Qualquer que seja a causa do hipotiroidismo, deve tomar, todos os dias, e para toda a vida, suplementos de hormonas da tiróide, sob a forma de comprimidos. Estas hormonas regularizam a tiróide, desde que, evidentemente, o médico saiba determinar correctamente a dose a receitar. (Daí a importância de efectuar regularmente testes à tiróide.) Este tratamento é eficaz, mas não pode solucionar tudo. Daí o interesse das abordagens alternativas, baseadas no psiquismo.

As melhores abordagens alternativas

—► Alimentação
Para produzir hormonas tiroideias (T4 e T3), a tiróide necessita dos elementos seguintes:
-    tirosina (um aminoácido),
-    vitamina B6,
(A Vitamina B6 requer fosforilação para se tornar ativa, e essa reação de transferência de fosfato é dependente do magnésio. Uma deficiência em magnésio pode causar uma deficiência relativa de vitamina B.)
-    iodo,
-    ferro,
-    cobre,
-    zinco,
-    selénio,
-    ácidos gordos essenciais.
Faça análises para saber se tem carência em um ou mais destes elementos. Satiscaça então esta carência com alimentos ou suplementos adequados.
—► Exercício físico
Eis uma boa razão para praticar exercício regularmente: ele aumenta a sensibilidade da glândula tiróide às hormonas e melhora assim o funcionamento da glândula tiróide.

—► Hidroterapia por contraste
Esta abordagem consiste em alternar a aplicação de compressas quentes e frias. Utilizada na região do pescoço e da garganta, pode estimular a função tiroideica.
Utilização:
-    Aplique, em alternância, uma compressa quente durante 3 minutos, e uma compressa fria durante 1 minuto.
-    Repita 3 vezes por sessão.
-    Faça 2 a 3 sessões por dia.
—► Acupunctura, homeopatia e ioga
Estas três abordagens podem contribuir para regularizar o metabolismo. Pode recorrer a elas em complemento da administração diária de hormonas tiroideias. Deste modo poderá tratar os aspectos energéticos e psicológicos da doença que não dependem da hormonoterapia. Eventualmente, poderão mesmo levá-lo a reduzir a dosagem.

As melhores soluções psicológicas

—► Primeiras medidas importantes
-    Reduza o stress com a prática de Tai Chi, ioga ou meditação.
-    Tome verdadeiramente consciência da sua forma de reagir face à adversidade.
-     Melhore a sua comunicação com os outros e consigo próprio. Saiba ouvir os outros, mas escute-se também a si.
-     Esforce-se por ter uma abordagem mais criativa face ao que lhe acontece. (A criatividade é o melhor antídoto contra o derrotismo. É preciso saber imaginar que há soluções, para poder encontrá-las.)
—► Em estado de auto-hipnose (ver o capítulo 32), repita as afirmações seguintes:
Sou criador da minha vida. Comunico a harmonia por toda a parte à minha volta. Confiante, vejo a vida com um novo olhar.

Faça ao menos isto:

-    Pratique exercício físico regularmente.
-    Trabalhe a dimensão psicológica da sua doença.

De Glossário das Doenças, do Livro O FACTOR X – Como curar-se mais depressa, de ROBERT DEHIN & JOCELYNE AUBRY, Publicações Prevenção de Saúde.
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

AVISO

Este site tem finalidades exclusivamente informativas.
É importante esclarecer que este site, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.
Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a
manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação,independentemente de censura ou licença" (inciso IX).